Pesquisar este blog

- Rancho D'Ajuda - Como plantar alho Poró - Que Delícia de Roça! Como fazer doce de figo cristalizado - Gir leiteiro como o próprio nome diz - Como plantar Kiuí - Como plantar pimentão - 3 dicas para quem quer plantar tomate - momento de plantar - Que Delícia de Roça! Broa de fubá - Maracujá roxo é nova opção para agricultores - Que Delícia de Roça! Como fazer galinhada Rancho D'Ajuda

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Momento de Plantar

Resultado de imagem para plantar de soja
Ajuda do clima: depois de safra com perdas, por conta da estiagem, o fenômeno la niña dá esperança ao produtor
A s chuvas que caíram no mês de setembro na região do Matopiba (confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), ainda no período de vazio sanitário, aumentaram a expectativa de uma safra 2016/2017 diferente da anterior. Na safra 2015/2016, a seca nas regiões Norte e Nordeste, e em algumas áreas do Centro-Oeste, foi apontada como o principal fator da quebra na produção de grãos do País, da ordem de 21,4 milhões de toneladas.  A expectativa de recuperação é uma das marcas do relatório “Perspectivas para a Agropecuária para a safra 2016/2017”, apresentado no mês passado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A análise, que leva em conta 11 culturas, entre elas a soja, o milho e o algodão, mostra um cenário otimista para o produtor.  “A expectativa é favorável nesta safra porque o clima tende a vir mais propício ao plantio”, diz Wellington Silva Teixeira, superintendente da gestão de oferta da Conab. Ele aponta como destaque do relatório o otimismo em relação ao milho, com uma expectativa de produção da ordem de 80 milhões de toneladas, ante 69,1 milhões de toneladas na safra 2015/2016. Isso deve manter o País como o terceiro maior produtor mundial do cereal, de acordo com dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda). “Os dados mostram uma rentabilidade que pode ser até maior do que a da soja, por conta da necessidade da pecuária brasileira e pela menor participação dos americanos no mercado internacional, pois estão utilizando a sua safra para a produção de etanol”, afirma Teixeira.

De acordo com o analista Anderson Galvão, CEO da consultoria Céleres, o cenário é bom para os produtores de maneira geral, mas as dificuldades de crédito podem prejudicar aqueles que saíram endividados da safra passada ou atrasaram a compra dos insumos. “Para quem deixou a aquisição de insumos para a última hora, a safra 2016/2017 já ficou cara”, diz Galvão. “Além disso, junto com o clima, o acesso ao crédito deve ser decisivo no tamanho da safra.”


Resultado de imagem para plantar de soja

"O acesso ao crédito deve ser decisivo no tamanho da safra” anderson galvão, CEO da consultoria Céleres

A estimativa é de que as dívidas no setor cheguem a R$ 290 bilhões junto ao sistema financeiro, valor equivalente a 56% do Valor Bruto da Produção (VBP). É o maior percentual das últimas cinco safras. Para garantir o acesso ao crédito, no mês passado o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou o governo federal a renegociar a dívida dos produtores, uma demanda que estava na agenda do setor há alguns meses. Isso pode garantir a retomada do ciclo 2015/2016, quando foram cultivados 58,3 milhões de hectares e colhidas 186,4 milhões de toneladas de grãos e fibras, 10,3% abaixo da safra anterior.

O agricultor Marcelino Flores de Oliveira, da fazenda Sete Povos, em Barreiras, no Oeste da Bahia, faz parte do grupo dos produtores otimistas. Isso porque ele fez a lição de casa nos últimos meses, mesmo que a safra 2015/2016 tenha sido a pior para ele, nos 32 anos em que está na região. “Estou otimista porque não tive problemas com crédito para a safra 2016/2017 e espero ter uma boa produtividade”, afirma. “Não relaxei nos fertilizantes e comprei sementes de primeira qualidade.” Ele planeja plantar 21,3 mil hectares de soja, 3,8 mil de milho e 2,1 mil de algodão. No ciclo anterior, ele havia plantado 22 mil hectares de soja e 3,2 mil de algodão. “Acrescentei o milho por uma questão de ciclo de culturas, para melhorar a qualidade do solo da fazenda”, diz. “E estou diminuindo gradativamente a área de algodão, em razão do alto custo de produção.” Oliveira tem uma visão empresarial do negócio. Na comercialização da safra, o produtor diz que vai seguir a cartilha recomendada pelos consultores de mercado: venderá antecipadamente 30% da produção, outros 40% serão comercializados no auge da safra e o restante 30% irão para o armazém, à espera do melhor momento de preços de mercado.
Resultado de imagem para plantar de soja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TOP 10: Mais Acessadas

Arquivo do blog